Nossa História

Breve Relato Histórico dos Primeiros 50 Anos

Cinquenta anos na vida de uma igreja é uma data significativa. Diversos pastores, visões ministeriais de naturezas diferentes umas das outras, épocas trazendo circunstâncias as mais variadas na última metade de século, tudo isto faz com que nossa existência como igreja tenha características próprias, únicas e por vezes impressionantes, mostrando a atuação de Deus como Senhor ao longo da História.

Tendo por base o cinqüentenário da Igreja Batista Central de Campinas, quatro grandes períodos podem ser considerados na sua existência até hoje, os quais serão apresentados a seguir.

PERÍODO INICIAL: 14/12/1957 a 01/08/1969

A Igreja Batista Central de Campinas foi fundada por um grupo de pessoas que se desligaram da 1ª Igreja Batista de Campinas, tendo seu culto inaugural acontecido no dia 14 de dezembro de 1957, com a presença de cinquenta e cinco irmãos, acrescido esse número de sete outros que, naquela noite, pediram sua carta de transferência para a nova igreja. Entre eles, figurava Travis S. Berry, missionário norte-americano que foi o primeiro pastor da Igreja. Em dois meses, o número de membros chegou a oitenta e cinco, constituindo o grupo dos considerados membros fundadores da Igreja , que são os seguintes: Adelaide Mancini Francischini, Alfredo Zarins Filho, Alfredo Zarins, Alzira Ribeiro Teixeira, Amaury Arley Barone, Antonio Alexandre de Andrade Patto, Armando Antônio Barone Filho, Arthur Araium, Astrogilda Zarins, Áurea Castorina de Andrade Patto, Áurea de Andrade Patto, Azael Sevelin Mathias, Bento Seixas, Berend Hartgers, Bernice Berry, Carolyn Plampin, Cecília Pereira Dutra, Célia Gonzales Pinto, Cenir Francischini, Darcy Ferreira Veiga, Deolindo Francischini, Dorilea Codo, Dorothea L. Rohwedder Ströh, Edmir Servidone, Elenice Teixeira, Eunice Dimárzio Ronze, Francisco Pedroso, Genny Veiga, Gideon Nogueira de Oliveira, Hamilton Carnio Junior, Hamilton Carnio, Hilda Zarins, Ilze Stroeh Barone, Ines Ströh Rocha, Irma Ströh Cárnio, Isabel Borges, João Pedroso, Joaquim Gomes Beato, Jorge P. Dutra, José Borges de Oliveira, José Dimárzio Netto, José Ribeiro, Josefina Pedroso, Josias Lopes, Josué Codo, Juvail Antunes de Campos, Laodicéia Codo, Lídia Teixeira Hartgers, Maria da Penha Vasconcelos, Maria Orazília Lopes, Maria Rosa Ferreira Veiga, Maria Teixeira Dimarzio, Mário Ronze. Mercedes Codo, Michael Berry, Natália Pauzer Araiun, Neide Mirna Araium, Nelson Pinto, Nicola Dimarzio, Odair Pereira Patto, Oderson dos Santos, Olívio dos Santos, Oscar Pauser, Oséias dos Santos; Placídia Leite, Plínio Teixeira Filho, Plínio Teixeira, Ricardo Simões Rocha, Richard T. Plampin (pastor), Rosária Calichio Basso, Rosina Maria Asta Dimarzio, Rubens Simões Rocha, Ruth de Toledo, Sahara Busto, Samuel Teixeira, Shirley dos Santos, Simeão Marinho, Travis S. Berry (pastor), Umbelino José Basso, Victoriano Cid Filho, Virgínia dos Santos, Wilma Lopes Rangel, Yolanda C. Schirrmeister, Zelinda Consuelo Silveira de Oliveira e Zilda Silveira de Oliveira.

Durante seus primeiros doze anos, a IBCC teve cinco pastores, sendo quatro missionários norte-americanos e um brasileiro. Pela ordem, ocuparam o cargo de pastores titulares os seguintes irmãos: Travis S. Berry , Richard T. Plampin , Edgar Coelho Batista , Thurmon Earl Bryant e Oscar D. Martin. Num período de transição pastoral superior a um ano, liderou a Igreja o irmão Basílio Corilov, seu vice-moderador na época, um precioso instrumento nas mãos de Deus para aquele momento.

Organizada em prédio em construção cedido pela Igreja Presbiteriana Independente, na rua Lusitana, número 824, cerca de quatro meses após, a IBCC adquiriu seu primeiro imóvel, situado na rua Dr. Quirino 930, o qual, após reformas e adequações, serviu de templo e local de reuniões durante quase todo o período inicial.

Iniciando suas atividades com oitenta e cinco membros fundadores, ao final do período a Igreja contava com pouco mais de duzentos membros. A Igreja cresceu numérica e também espiritualmente, fortalecendo-se nas doutrinas batistas. Para tanto, foi decisiva a presença do pastor Thurmon E. Bryant atuando entre nós. Homem de múltiplos afazeres junto à Convenção Batista e à Faculdade Teológica Batista do Estado de São Paulo, o pastor Bryant contou com a colaboração, no dia-a-dia da Igreja, do irmão Manuel de Jesus Thé, que era na época seminarista da Faculdade em São Paulo.

PASTORADO “JOÃO BATISTA MARTINS DE SÁ”:

02/08/1969 – 30/11/1986

O mais longo pastorado da IBCC até o seu cinquentenário foi o de João Batista Martins de Sá. Vindo do Ceará, onde deixara o pastorado da Igreja Batista de Monte Castelo, em Fortaleza, o pastor João Batista, logo que chegou, mostrou o cunho dinâmico que seu ministério teria. Na primeira sessão presidida por ele, a Igreja votou a criação do Ginásio Evangélico Batista de Campinas, assunto que serviu de embrião para o Colégio Batista, pouco tempo após, com a anexação de dois colégios da cidade, que foram adquiridos pela Junta de Educação da Convenção Batista do Estado de São Paulo em convênio com a Igreja. Durante mais de trinta anos, o colégio atuou na cidade de Campinas.

No âmbito interno da Igreja, o trabalho foi dinamizado e organizado durante esse pastorado, tendo a IBCC crescido de pouco mais de duzentos membros para um rol de mais de mil nomes. Departamentos e estrutura foram criados para dar suporte ao trabalho em crescimento. Atendendo ao chamado missionário, foram organizadas novas missões em bairros e cidades vizinhas, a maior parte delas vindo a se tornar em igrejas.

Durante o pastorado em questão, a Igreja teve seu jornal, chamado de “Semeador”, que serviu de instrumento de comunicação de alcance nacional, comunicando eventos e sendo útil para a edificação de vidas durante alguns anos.

No dia 14 de maio de 1977, a Igreja finalmente inaugurou o seu Templo em ato solene, passando a contar com espaço mais adequado para seus cultos e atividades.

No final de 1984, a Igreja adquiriu o acampamento “Alvo da Mocidade”, em Paulínia, o qual passou a ser chamado de Acampamento Batista Louvor. Ali a Igreja começou a promover retiros e outros encontros adequados àquele recanto. Além do Acampamento Louvor, outros empreendimentos e propriedades foram acrescentados à história da Igreja, como o Centro Familiar (nas proximidades do Shopping Center Iguatemy), a criação da Casa do Estudante para atendimento de jovens vindos de outras localidades em busca de estudo nas nossas universidades, e outros. Grande foi o envolvimento da Igreja em atividades de cunho espiritual e social no período.

Com as inclinações carismáticas demonstradas pelo Pastor João Batista, as quais a liderança da Igreja não via como adequadas às suas doutrinas batistas, foi sendo criado, aos poucos, um conflito entre a Igreja e seu pastor, até que, no dia 30 de novembro de 1986, o pastor João Batista Martins de Sá deixou o pastorado da IBCC, sendo acompanhado por um grupo de membros que, juntamente com ele, formaram a Igreja Batista Ágape. Encerrava-se então o pastorado “João Batista Martins de Sá” entre nós. Após uma transição de cerca de oito meses, de 01/12/1986 a 07/08/1987, quando a Igreja foi liderada pelo irmão Sérgio Larghi Campos, outro precioso instrumento nas mãos de Deus para aquele momento, um novo pastorado se iniciaria.

PASTORADO “MARCÍLIO SEBASTIÃO GOMES TEIXEIRA”:

08/08/1987 – 07/09/2003

Assumindo o pastorado titular da IBCC no dia 8 de agosto de 1987, o pastor Marcílio Gomes Teixeira, que deixara a 1ª Igreja Batista de Curitiba, logo de início teve que lidar com um ambiente interno ainda com problemas pela transição pastoral havida. Com muita ética na condução dos assuntos, das assembléias e do rebanho, o pastor Marcílio promoveu um realinhamento da Igreja de acordo com suas doutrinas batistas convencionais, seguidas desde sua organização.

Durante o tempo em que aqui esteve, o pastor Marcílio alimentou o rebanho com mensagens baseadas na Palavra de Deus, conduzindo-o a ”águas tranquilas” e a “pastos verdejantes”, desenvolvendo um trabalho de púlpito realmente abençoado e abençoador.

É preciso destacar a imprescindível atuação não somente do pastor Marcílio entre nós, mas do casal, pois a irmã Helena de Moraes Teixeira foi importante ajudadora como esposa do pastor, tendo dado sua colaboração principalmente na área da música, na criação e regência de corais e outros grupos. Foi destaque neste assunto a organização e manutenção entre nós do Coral de Adolescentes, que atuou internamente nos cultos da Igreja, cantando com regularidade, e também externamente, na área de evangelismo, tendo sido o Coral usado para gravações solicitadas pela Junta de Missões da nossa Convenção, a fim de promover o trabalho missionário nas igrejas batistas de todo o Brasil. A atuação do Coral de Adolescentes teve alcance internacional, graças à viagem ao Paraguai empreendida, com muitas apresentações e frutos colhidos no país vizinho.

Durante seu pastorado, o pastor Marcílio soube dar sequência ao trabalho regular da Igreja, bem como à atividade de suas organizações externas e internas. Deu suporte à continuação do trabalho no Colégio Batista, tanto nas aulas em geral como no trabalho de capelania que ali se desenvolvia, tendo contado com o auxílio de diversos pastores como capelães. É de sua gestão também a criação do “Projeto Esperança” pela ABASC, trabalho de cunho social, educacional e espiritual desenvolvido junto à missão do Jardim Nova América, missão essa posteriormente organizada como Igreja.

Por fim, ao completar quarenta anos de ministério pastoral, no dia 7 de setembro de 2003, o pastor Marcílio Gomes Teixeira deixou o pastorado da IBCC, em culto solene e de expressivo caráter espiritual. Reconhecendo a importância do seu pastorado, a IBCC resolveu conferir ao pastor Marcílio o título de Pastor Emérito, “como reconhecimento pelo seu ministério, desenvolvido de maneira honrosa, ao longo desses 16 anos”: um título aprovado pelo plenário por unanimidade.

PASTORADO “LEANDRO BORGES PEIXOTO” – 08/09/2003

No dia 8 de setembro de 2003, assumiu o pastorado interino da Igreja Batista Central de Campinas o pastor Leandro Borges Peixoto, que chegara à Igreja meses antes, constituindo-se n o pastor das três posses no mesmo ano: em 01/02/2003 como Pastor Adjunto; em 08/09/2003 como Pastor Interino; a partir de 14/12/2003, como Pastor Titular da Igreja.

Com sua visão jovem e dinâmica, porém profundamente arraigada na Palavra de Deus, o pastor Leandro submeteria a Igreja a uma nova orientação pastoral e visão ministerial, pois, a partir da sua posse, a IBCC teve sua ótica de atuação no mundo ampliada e atualizada para as necessidades de um novo século, o qual nos coloca diante de novos desafios, como igreja que pretenda ser relevante em sua ação nestes novos tempos. Assim sendo, dois meses após sua posse, a Igreja conheceu e aprovou o projeto ministerial “Uma visão de futuro para a IBCC”.

O projeto “Uma visão de futuro para a IBCC” convocou a Igreja a olhar para o porvir, apresentando um detalhamento do seu trabalho em multiministérios. De autoria do pastor Leandro, o documento fez a Igreja vislumbrar uma proposta para o seu desenvolvimento ministerial, a fim de continuar sua obra, neste novo século e milênio. No projeto, a Igreja aprovou a criação de sete ministérios, atendendo a sete necessidades básicas da sua atuação, todos subordinados ao Ministério Titular. São os seguintes os Ministérios aprovados naquela ocasião: 1. de Evangelismo, Missões e Beneficência; 2. de Educação Cristã; 3. de Adultos e Famílias; 4. de Jovens e Adolescentes; 5. de Louvor e Adoração; 6. de Infra-estrutura e Administração; 7. de Comunicação. Mais recentemente, foi criado o Ministério com Crianças, para atendimento da geração mais nova do rebanho. Os Ministérios estão ainda em fase de estruturação.

Dentro do atual pastorado, a Igreja Batista Central de Campinas está comemorando, de forma bastante ampla e variada, seu primeiro cinqüentenário, olhando para o passado com o respeito que ele merece, avaliando o seu potencial presente e projetando o seu futuro, na forma de preocupações e projetos que possam continuar tornando sua atuação relevante. A ti, ó Deus, seja dada toda a honra, “pois teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém” .

Ricardo Simões Rocha – 21/04/07